Torre dos Clérigos

A Igreja da Irmandade de São Pedro dos Clérigos, no Porto, organiza-se em três corpos justapostos – igreja, dependência da irmandade e torre sineira (Torre dos Clérigos) – tendo esta última tal impacto visual que se transformou no ex-líbris da cidade.

O projecto foi desenhado por Nicolau Nasoni, que nasceu em Itália e trabalhou em Siena, onde terá adquirido a sua formação de base. À passagem por Roma, seguiu-se uma estadia em Malta, onde trabalhou para o grão-mestre D. António Manuel de Vilhena. Aí conheceu também Roque Távora e Noronha, irmão do deão da Sé do Porto, D. Jerónimo. Foi assim, com certeza, que acabou por ser convidado para se mudar para aquela cidade, onde já estava em 1725, a trabalhar na Sé, edifício onde deixou a sua marca.

A primeira obra portuguesa que se lhe deve integralmente é a igreja vulgarmente conhecida como “dos clérigos”, por ser pertença da irmandade do mesmo nome, de que era então presidente o já referido D. Jerónimo Távora e Noronha. O projecto foi aprovado em 1731 e, no ano seguinte, teve lugar a cerimónia de colocação da primeira pedra. As obras arrastaram-se por vários anos, durante os quais o projecto inicial foi sendo alterado e adaptado. Os trabalhos mais significativos foram concluídos em 1763.

A construção da igreja colocava alguns problemas interessantes, a que Nasoni soube responder com soluções criativas e inegavelmente eficazes. A dificuldade maior prendia-se com o formato do lote, longo mas estreito. Para tirar pleno partido desta situação, Nasoni rejeitou a fórmula tradicionalmente usada em Portugal de colocar as torres na fachada e remeteu-as antes para as traseiras, libertando assim espaço na frente da igreja (o projecto original incluía duas torres, solução depois substituída por uma só torre).

Imagem da Torre dos Clérigos (Autor: Hernâni Viegas)

Imagem da Torre dos Clérigos (Autor: Hernâni Viegas)

Ao mesmo tempo, a inclinação da Rua (hoje) dos Clérigos confere uma grande verticalidade à fachada, efeito sublinhado pela rotação do seu eixo em relação à rua. Finalmente, Nasoni conferiu à torre enorme altura (75 metros) e decorou-a com grande variedade de formas, atribuindo-lhe o protagonismo do conjunto. A conjugação de todos estes factores dá lugar a um incontornável efeito de monumentalidade.

A originalidade do projecto mantém-se no interior da igreja. Aqui, ao corpo rectangular da fachada segue-se a nave única de planta oval, solução rara no contexto da arquitectura portuguesa. Na verdade, a nave é composta por duas paredes separadas por um corredor. A parede exterior faz com que, quando vista de fora, a nave pareça um polígono alongado de lados menores arredondados.

Pelo contrário, a parede interior corresponde a uma verdadeira elipse, verticalmente ritmada pela utilização de grandes pilastras de ordem compósita, entre as quais se abrem portas, janelas e altares. A capela-mor é rectangular e liga o corpo da igreja à casa dos clérigos, por sua vez ligada à torre, último elemento desta progressão de volumes cada vez mais estreitos, acompanhando a definição do terreno.

O granito profusamente decorado cobre a fachada principal e a torre, enquanto nas fachadas laterais é apenas usado para elementos estruturais (pilastras e entablamento), portas e janelas. Assim se estabelece uma hierarquia visual de volumes. No interior da igreja, a decoração é rica e abundante em efeitos policromos, conjugando-se a pedra com a talha dourada e a pintura.

Igreja e Torre dos Clérigos

Outras designações: Igreja da Irmandade de São Pedro dos Clérigos.

Localização: Porto

Autor: Nicolau Nasoni

Cronologia: Entre 1731 e 1763

Imagens da Torre dos Clérigos

Não Encontrou o Que Estava Procurando? Tente o Google!

Marcados com: , , , , ,
Publicado em Igrejas de Portugal
3 comentários sobre “Torre dos Clérigos
  1. Boa tarde,

    Pela primeira vez que fui à Igreja dos Clérigos e deparei-me com uma situação que é uma falta grave, as flores que estavam nos altares de cada imagens já deviam ser mudadas há muito tempo porque já cheiravam mal a água já estava toda suja. Isto fica mal para o turismo e deixa uma imagem muito má para a cidade do Porto.

  2. Fiquei com uma imagem muito má daquilo que eu vi e as pessoas responsáveis.

  3. Bruna Almeida disse:

    boa tarde. Considero os Clerigos um dos melhores monumentos para visitar. amo o espaço…
    Quem não gostar também qua nao va lá… No verão não falta turistas…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Newsletter
Questionário

Ponte 25 de Abril ou Ponte Salazar?

View Results

Carregando ... Carregando ...
Publicidade
Acerca
Bem-vindo ao HistóriaDePortugal.info, um portal informativo dedicado exclusivamente à História de Portugal.

Temos como objectivo ser o recurso mais completo na Internet sobre a História de Portugal.


Partilhar história
A História de Portugal está pouco divulgada na Internet. Ajude o HistoriaDePortugal.info a expandir através da partilha do seu conhecimento. Contamos com a sua ajuda!

Criar artigo