Palmela

Situada nos distrito de Setúbal, encontra-se a vila de Palmela, sede do Município que leva o mesmo nome e que conta atualmente com mais de 60.000 habitantes.

É uma vila não muralhada,  que com uma altitude máxima de 378 metros, que corresponde à altitude do morro onde se encontra o Castelo, situado ao longo da encosta que fica virada para o Norte.

[-] Tabela de Conteúdos

História de Palmela

As terras do município de Palmela apresentam evidências da sua ocupação humana, pelo menos, desde o Neolítico superior, dando testemunho disso o Vaso de Palmela, conhecido mundialmente. Ao longo dos séculos, este território foi considerado estratégico por diversos povos que o ocuparam, tais como os celtas, os romanos e os árabes.

Situada nos distrito de Setúbal, encontra-se a vila de Palmela, sede do Município que leva o mesmo nome e que conta atualmente com mais de 60.000 habitantes (Autor: Soares da Silva)

Situada nos distrito de Setúbal, encontra-se a vila de Palmela, sede do Município que leva o mesmo nome e que conta atualmente com mais de 60.000 habitantes (Autor: Soares da Silva)

Palmela recebeu o seu primeiro foral em 1185, tendo este sido outorgado por D. Afonso Henriques, o primeiro rei de Portugal, que conquistou este território em 1147. Nesta época, Palmela era considerada como o ponto fulcral do território entre o Tejo e o Sado, muito devido a motivos politico-religiosos, visto que, com o objetivo de consolidar a posição de Portugal como Reino e o seu reconhecimento pelo Vaticano, D. Afonso Henriques doou o território à Ordem de Santiago e Espada. Esta Ordem possuía um vasto território que ia desde o Ribatejo até Mértola, no Alentejo. Mas o seu poder administrativo passou a estar centrado em Palmela, o que passou a conferir-lhe uma elevada importância a nível nacional.

Palmela começou a perder importância política com o afastamento dos perigos das invasões árabe e castelhana, sendo que, em 1855, na Reforma Administrativa conduzida por Mouzinho da Silveira, o município de Palmela foi extinguido, passando a integrar o município de Setúbal.

Já no século XX, as elites locais aproveitaram o movimento militar que decorria desde o 28 de maio de 1926 e pressionaram a Junta Militar, que acabou por ceder ao seu pedido, no sentido de restaurar o município de Palmela.

Centro Histórico de Palmela

Atualmente, quem visita o Centro Histórico de Palmela, pode notar que este possui uma identidade muito própria, decorrente duma diversidade de características particulares, podendo notar-se aqui fortes influências muçulmanas devido aos períodos em que o território foi ocupada por esse povo.

A atual Rua Contra Almirante Jaime Freixo era, no passado, denominada Rua Direita e constituía-se como a principal artéria da cidade, não só pela densidade populacional como pelo fato de atravessar quase toda a vila.

O núcleo urbano da vila possui caraterísticas muito peculiares, sendo que o casario vai acompanhando a morfologia do terreno. As casas são geralmente térreas, revelando a sua origem medieval devido à assimetria na disposição dos vãos e não só.

Podemos notar que aqui viveram (e ainda vivem) algumas famílias de grande poder económico, devido à existência de diversas casas quarteirão pertencentes a famílias ligadas à vitivinicultura. Estas casas têm geralmente 1 ou 2 pisos e costumam possuir adegas. Espalhadas por todo o núcleo urbano, podemos também observar a existência de adegas de arquitetura mais simplista, pertencentes a famílias mais modestas.

Em muitas casas dos século XIX e XX, podemos ainda observar casa com arestas boleadas nos vãos, telhados de tesouro, escadas de acesso ao segundo piso com óculo (para iluminação natural), e varandas com balcão de sacada de hastes cilíndricas com anéis em ferro forjado. Algumas casas apresentam também platibandas decoradas com faianças e balaustradas e ainda fachadas revestidas a azulejo, com painéis retratando as vindimas.

Locais de Interesse Histórico e Turístico em Palmela

Além do Castelo de Palmela, existem muitos outros locais de interesse histórico na vila, tais como as Grutas do Casal Pardo Covas de Moura e a Alcaria do Alto das Queimadas, na Quinta do Anjo, o Castro de Chibanes, o Palácio do Rio Frio, o Pelourinho de Palmela, os Paços do Concelho, o Chafariz de D. Maria I, a Torre de Sinalização e Manobra da Estação Ferroviária de Pinhal Novo, a Igreja Matiz de Palmela (Igreja de S. Pedro), as igrejas de Santiago de Palmela e de Santa Maria (situadas no Castelo), a Igreja de Nossa Senhora da Redenção, a Igreja da Misericórdia de Palmela, a Igreja de Águas de Moura, a Igreja de S. José, a Igreja do Poceirão, a Capela de S. João Batista, a Capela da Escudeira e a Capela de São Gonçalo.

Imagens de Palmela

Invalid Displayed Gallery

Partilha!Share on Facebook41Share on Google+1Tweet about this on TwitterShare on Tumblr0Pin on Pinterest0Share on LinkedIn0Share on Reddit0Share on VKEmail this to someone

Não Encontrou o Que Estava Procurando? Tente o Google!

Marcados com: , , ,
Publicado em Arquitetura de Portugal, Capelas de Portugal, Concelhos de Portugal, Edifícios de Portugal, História de Portugal, Igrejas de Portugal, Monumentos de Portugal, Ordens Religiosas, Últimos, Vilas de Portugal

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Newsletter
Questionário

Ponte 25 de Abril ou Ponte Salazar?

View Results

Carregando ... Carregando ...
Publicidade
Acerca
Bem-vindo ao HistóriaDePortugal.info, um portal informativo dedicado exclusivamente à História de Portugal.

Temos como objectivo ser o recurso mais completo na Internet sobre a História de Portugal.


Partilhar história
A História de Portugal está pouco divulgada na Internet. Ajude o HistoriaDePortugal.info a expandir através da partilha do seu conhecimento. Contamos com a sua ajuda!

Criar artigo