Guerra Colonial Portuguesa

A Guerra Colonial Portuguesa foi designada por Guerra do Ultramar, designação atribuída oficialmente em Portugal até ao 25 Abril, ou ainda chamada a Guerra de Libertação, que foi uma designação bastante utilizada pelos independentistas Africanos.

Esta foi uma guerra que teve como duração de cerca de 13 anos. Ao desenrolar do teatro sanguíneo sobre esta guerra, muita gente perdeu a vida e milhares acabaram por ficar feridos.

É importante destacar que ainda hoje esta guerra deixa marcas por todo o mundo, mas essencialmente nos países africanos, que ainda se perde vidas derivado aos pequenos restos deixados para trás.

Guerra Colonial Portuguesa

A Guerra Colonial Portuguesa teve início em África e desenrolou-se nas colónias de Moçambique, Guiné e Angola, no período de, entre 1961 e 1974.

Estiveram em confronto as Forças Armadas Portuguesas e as forças organizadas pelos movimentos de libertação de cada uma das colónias onde decorria os confrontos.

Os primeiros confrontos ocorreram em Angola, na zona a que se viria a chamar Zona Sublevada do Norte, traduziram-se, a partir de 15 de Março de 1961, em bárbaros massacres de populações brancas e trabalhadores negros oriundos de outras regiões de Angola.

Posto de controlo do PAIGC na Guiné-Bissau em 1974. Depois da declaração de independência. (Autor: João Carvalho)

Posto de controlo do PAIGC na Guiné-Bissau em 1974. Depois da declaração de independência. (Autor: João Carvalho)

Nos três cenários das operações em Angola, Moçambique e Guiné o número de efectivos das forças portuguesas foram aumentando constantemente em relação ao aumento das frentes de combate, atingindo-se, no início da década de 70, o limite crítico da capacidade de mobilização de recursos.

Pela parte portuguesa, a guerra era sustentada pelo princípio político da defesa do que era considerado o território nacional, baseado no conceito de nação pluricontinental e multirracial.

Pela parte dos Movimentos de Libertação, a guerra justificava-se pelo inalienável princípio de autodeterminação e independência, num quadro internacional de apoio ao incentivo à sua luta.

O Estado Novo, primeiro com Salazar e depois com Marcelo Caetano, manteve com grande rigidez o essencial da política colonial, fechando todas as portas a uma solução credível para o problema de qualquer um dos territórios.

O 25 de Abril de 1974, trouxe alterações à natureza do regime político português, os novos dirigentes de Portugal, aceitavam naturalmente os princípios da autodeterminação e independência, pelo que as fases de transição foram negociadas com os movimentos de libertação, traduzindo-se rapidamente no fim das acções militares envolvendo forças portuguesas.

Após a Segunda Guerra Mundial

Após a Segunda Guerra Mundial, adensam-se, mais uma vez, as nuvens de ameaça sobre o Império Colonial Português. Embora com lentidão, o regime trata de reestruturar o aparelho militar. Macau está sob constante ameaça da Revolução Chinesa, e na Índia é tudo uma questão de tempo. Quando a guerra começa em Angola (4-2-1961), há militares que se levantam.

Convencidos da impossibilidade de uma solução militar, chegam mesmo a fazer uma tentativa de golpe de Estado (General Júlio Botelho Moniz, 13 de Abril), mas o regime endurece as suas posições, mantém-se surdo e mudo. Apesar disso, as Forças Armadas, dispondo de efectivos reduzidos e meios obsoletos, não tinham capacidade de resposta. Inicialmente, o regime tenta minimizar os acontecimentos e fala de “acções de polícia” para manter a ordem.

Mas enquanto a guerra de Angola ganhava terreno, desenvolvida a norte pelo U.P.A. (depois F.N.L.A.), de Holden Roberto, e a leste pelo M.P.L.A. de Agostinho Neto (a U.N.I.T.A., de Savimbi, só aparece em 1966) o P.A.I.G.C. inicia a luta armada na Guiné, em meados de 1962, e a F.R.E.L.I.M.O., em Moçambique, no segundo semestre de 1964.

No final de 1960, o dispositivo militar em Angola limitava-se a três regimentos (Luanda, Nova Lisboa/Huambo e Sá da Bandeira/Lubango), dois batalhões de Caçadores (Cabinda e Carmona/Uíge), um grupo de reconhecimento e um batalhão de Engenharia, num total de 6 500 militares, dos quais 1 500 eram metropolitanos. Um ano depois 33 mil, valor que foi subindo sempre até 1965, ano em que se cifra em 57 mil.

No ano seguinte, baixou e, com algumas, oscilações (55 mil, em 1970, foi o mínimo), ultrapassou os 60 mil, em 1971, atingindo o valor mais alto (65 mil) em 1973. O efectivo, em Moçambique, começou a ser reforçado logo em 1961 (11 mil homens), aumentando até 1973, ano em que se cifra em 51 mil.

Na Guiné, de cerca de 5 mil homens, passando para 9 mil, em 1963, número que cresce sempre, até atingir 32 mil, dez anos depois. Feitas as contas, os efectivos militares nas três frentes de guerra, em 31 de Dezembro de 1973, totalizavam cerca de 149 mil homens. A campanha Africana começara em 1961 – quase 13 anos que mudaram Portugal.

Número de Mortos na Guerra Colonial Portuguesa

Durante os 13 anos de Guerra, e segundo elementos incluídos na Resenha Histórico-Militar das Campanhas de África (1961-1974), registou-se um total de 8 290 mortos nas três frentes de combate. O subtotal mais elevado refere-se a Angola (3 258), embora a exiguidade do território leve a ter de se referir a Guiné, com 2 070. A grande maioria dos que morreram caiu em combate, e aqui o número mais elevado registou-se em Moçambique (1 481); seguem-se Angola (1 306) e Guiné (1 240).

Número de Feridos na Guerra Colonial Portuguesa

O número é difícil de calcular. A Associação de Deficientes das Forças Armadas presta serviços a 13 mil sócios, todos, portanto, portadores de “ deficiência permanente e adquirida durante o serviço militar”. Mais cerca de 3 mil processos aguardam solução. Estimativas apontam para um total de 30 mil deficientes.

Não custa aceitar que o número de feridos, com maior ou menor gravidade, é bastante mais elevado, até porque, em muitos caso, os ferimentos não deixaram marcas. Muitíssimo mais alto é o número de afectados, sobretudo a nível psíquico. Médicos têm estudado o fenómeno, calculam em cerca de 140 mil os antigos militares “stress de guerra”, uma doença mais grave do que se supõe.

Mas há outra ferida que as próprias autoridades procuram esconder o mais possível: os desaparecidos em combate.

Armas Utilizadas pelos Portugueses na Guerra Colonial Portuguesa

O armamento e equipamento do Exército português no início da década de 60 decorria de três períodos distintos:

– Material adquirido no final da década de 30, perante a situação criada pela Guerra Civil espanhola e pelo início da Segunda Guerra Mundial e essencialmente de origem alemã (espingardas Mauser, metralhadoras ligeiras Dreyse e Borsig, obuses de 10,5 cm) e italiana (metralhadoras Breda, obuses de 7,5 cm).

Os calibres eram os dos países de Eixo, nomeadamente o 7,92 mm (ou 7,9) das armas ligeiras;

– Material recebido durante a II Guerra Mundial, sobretudo de contrapartidas da utilização dos Açores. Era principalmente pesado (obuses de 8,8 cm e 14 cm, peças de 11,4 cm, peças AA de 4 e 9,4 cm). Os calibres eram essencialmente ingleses;

– Material recebido após a entrada na NATO e destinado essencialmente à 3ªDivisão (canhões sem recuo de 57 mm, 75 mm e 106 mm, metralhadoras de 12,7 mm, morteiros de 60 mm, 81 mm e 107 mm, viaturas blindadas e carros de combate).

Emprego Morteiro

O emprego eficaz dos morteiros (assim como o da artilharia) pressupõe bom suporte cartográfico e a observação do tiro. Durante todo o tempo da guerra, nenhum destes desideratos foi plenamente atingido, pelo que o apoio próximo das tropas não foi eficientemente conseguido.

Assim, os morteiros de maiores calibres (81 mm e, mais tarde, 120 mm) foram essencialmente empregues em flagelações e reacções aos ataques a aquartelamentos.

Pelo contrário, os morteiros de 60 mm seriam largamente utilizados, sobretudo no apoio imediato das tropas, colmatando assim a falta já assinalada de um lança-granadas eficaz.

Os morteiros eram transportados pelos grupos de combate, sem tripé nem prato-base, baseando-se a pontaria na experiência do apontador.

A Artilharia Portuguesa na Guerra Colonial Portuguesa

A artilharia existente em África era, de início, composta pelos materiais mais antiquados e de menor calibre, de difícil integração em forças da NATO, sendo já problemática a obtenção de munições. A solução foi o aproveitamento desses materiais até ao esgotamento dessas munições e depois a sua substituição.

Assim, os primeiros obuses 10,5 cm m/941/62 seriam testados operacionalmente em Angola, em 1968. Na Guiné, a situação em 1966 era a utilização dos obuses 8,8 cm por pequenas unidades (nove pelotões a duas bocas de fogo cada), mas a partir de 1968 passaram a existir meios mais modernos e mais potentes:

– 19 Obuses de 10,5 cm, correspondendo a três baterias;

– Seis obuses de 14 cm, correspondendo a uma bateria;

– Seis peças de 11,4 cm, correspondendo a uma bateria.

Principais Figuras da Guerra Colonial Portuguesa

As principais figuras da Guerra do Ultramar foram:

– Salazar

– Marcelo Caetano

– António Spínola

– Amílcar Cabral

– Costa Gomes

– Agostinho Neto

Não Encontrou o Que Estava Procurando? Tente o Google!

Marcados com: ,
Publicado em Guerra do Ultramar
6 comentários sobre “Guerra Colonial Portuguesa
  1. Carlos Alberto Dos Santos Sobral disse:

    estive em Nambuangongo em 1967 no batalhão de cavalaria 1927 fui ferido em combate no dia 09 novembro 1969 no qual morreu o meu camarada pissarra a quatro dias do final da comissão sou diuficiente das forças armadas

  2. Carlos Alberto Dos Santos Sobral disse:

    servi em angola Nambuangongo 1967 com o batalhão de cavalaria 1927 fui ferido em combate a quatro dias do final da comissão sou dfa diuficiente das forcas armadas

  3. Carlos Alberto Dos Santos Sobral disse:

    Batalhão cavalaria 1927 Nambuangongo 1967 68 69

  4. Carlos Alberto Dos Santos Sobral disse:

    Publicaremos

  5. Carlos alberto dos santos sobral disse:

    Fui mobilizado para angola batalhao cavalaria 1927 embarcamos para angola destino nambuangongo no dia 14. De novembro 1967 fui ferido em combate no dia 10 de novembro 1969 numa operacao de patrulhamento ao rio zenza na mesma emboscada tivemos mais um morto vim evaquado para o hospital militar da estrela no dia 28 de novembro de 1969 estive cerca de um ano em recuperacao fui considurado dificiente das forcas armadas tenho alguns problemas com stress pos traumatico ja estive hospitalizado na estrela duas vezes hoje com 70 anos refugiu me em casa mas ca vou andando esta e uma das minhas perpercias da guerra africa

  6. José Arlindo andrade disse:

    Sevi em 68 a 70 Moçambique gostaria de conher companhia 2423 .alguns amigos.um abraço para estes valentoes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Newsletter
Questionário

Ponte 25 de Abril ou Ponte Salazar?

View Results

Carregando ... Carregando ...
Publicidade
Acerca
Bem-vindo ao HistóriaDePortugal.info, um portal informativo dedicado exclusivamente à História de Portugal.

Temos como objectivo ser o recurso mais completo na Internet sobre a História de Portugal.


Partilhar história
A História de Portugal está pouco divulgada na Internet. Ajude o HistoriaDePortugal.info a expandir através da partilha do seu conhecimento. Contamos com a sua ajuda!

Criar artigo