Gil Eanes

Pouco se sabe da biografia de Gil Eanes.

Pensa-se no entanto que terá nascido nos finais do século XIV, em Lagos, no Algarve.

Gil Eanes foi um navegador português e escudeiro do Infante D. Henrique.

Foi ele o primeiro navegador a dobrar o Cabo Bojador, o que foi sem dúvida um dos maiores feitos da história dos navegadores até então.

Gil Eanes o Navegador

Por várias vezes, e durante doze anos, o Infante D. Henrique tentou que os navegadores portugueses fossem para sul a fim de dobrarem o Cabo Bojador.

Em 1433, ele enviou Gil Eanes, o seu escudeiro, que até então vivia em Lagos, incumbindo-o dessa tarefa.

No entanto, após chegar às ilhas Canárias, não se sabe bem o motivo, Gil Eanes regressou a Portugal.

O Infante D. Henrique não desistiu e novamente enviou Gil Eanes pedindo-lhe que fosse para sul até que não houvesse mais terra e que contornasse esse cabo do terror.

Gil Eanes

Gil Eanes

Assim, em 1434, Gil Eanes conseguiu dobrar o Cabo Bojador, sendo o primeiro navegador a conseguir tamanha proeza.

Esse feito rendeu a Gil Eanes um excelente casamento com uma mulher de posses, casamento esse patrocinado pelo Infante D. Henrique. Além disso, o Infante armou Gil Eanes como cavaleiro.

Em 1435, o Infante D. Henrique decidiu mandar armar um barinel, entregando o seu comando a Afonso Gonçalves Baldaia, e manda que este acompanhe Gil Eanes procurando ir mais para sul, até onde fosse possível.

Segundo certa crónica da época, estes navegaram cinquenta léguas para lá do Bojador mas não trouxeram grandes informações ao Infante.

Durante anos, Gil Eanes permaneceu ao serviço do Infante D. Henrique, enquanto vivia em Lagos, a sua terra natal.

Gil Eanes em Busca de Escravos

No início da década de quarenta (século XV), as viagens à África Ocidental tornaram-se mais frequentes, principalmente com o objetivo de capturarem escravos que depois seriam vendidos.

Estas viagens eram de tal modo compensatórias, ao ponto de motivarem iniciativas privadas para armar navios e levar a cabo algumas expedições.

Na primeira expedição, no ano de 1444, Lançarote (almoxarife do rei na vila de Lagos) propõe-se a comandar este empreendimento, levando consigo, como segunda figura e capitão de um dos navios, Gil Eanes.

Ao todo eram seis caravelas as que se dirigiram para a Ilha das Graças, que ficava a sul dos Baixos de Arguim, onde já tina estado Nuno Tristão, durante o ano anterior.

Apesar de a expedição ter sido feita principalmente para fins comerciais, isso não era incompatível com a exploração de algumas ilhas mais a sul, das quais já se sabia que havia uma grande probabilidade de se conseguir fazer um grande número de cativos, como de resto viria mesmo a acontecer.

Nessas ilhas, os portugueses resolveram caçar os mouros, que foram apanhados desprevenidos no seu dia-a-dia, em fainas de pesca, e também aqueles que viviam perto da costa.

Apesar de essa ser uma zona de difícil navegação para as caravelas, os portugueses remaram nos seus batéis e, às custas de saídas bruscas, eles obtiveram o maior número de escravos que já alguma vez tinha sido feito por uma expedição portuguesa.

Estas embarcações chegaram a Portugal a 7 de agosto de 1444, sendo que, no dia seguinte, deu-se lugar à macabra partilha de uma mercadoria que acabaria por vir a tornar-se habitual, sendo isso feito no terreiro, em frente às portas da vila.

Dois anos mais tarde, Lançarote volta a pedir ao Infante para organizar uma nova expedição, com o objetivo de lutarem contra os mouros, mas o seu objetivo era o de prosseguirem a viagem em busca de mais escravos. O Infante D. Henrique enviou desta vez 14 navios, sendo que um deles seria comandado por Gil Eanes.

O Infante deu também autorização para que, depois da batalha, aqueles que quisessem acompanhar Lançarote em busca de escravos, o fizessem. No entanto, quem quisesse regressar a Portugal logo após a batalha poderia fazê-lo. Gil Eanes foi um dos que regressou imediatamente após a batalha com os mouros, da qual os portugueses saíram vitoriosos.

Depois disso, não se sabe muito mais sobre o que teria acontecido Gil Eanes. No entanto, pensa-se que terá regressado a Lagos, onde vivia, e que aí terá permanecido junto com a sua família, até ao dia da sua morte.

Não Encontrou o Que Estava Procurando? Tente o Google!

Marcados com: ,
Publicado em Era dos Descobrimentos
2 comentários sobre “Gil Eanes
  1. Carol disse:

    Gente não entendo muito disso preciso fazer um trabalho de história sobre Gil Eanes mas até agora não achei nada …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Newsletter
Questionário

Ponte 25 de Abril ou Ponte Salazar?

View Results

Carregando ... Carregando ...
Publicidade
Acerca
Bem-vindo ao HistóriaDePortugal.info, um portal informativo dedicado exclusivamente à História de Portugal.

Temos como objectivo ser o recurso mais completo na Internet sobre a História de Portugal.


Partilhar história
A História de Portugal está pouco divulgada na Internet. Ajude o HistoriaDePortugal.info a expandir através da partilha do seu conhecimento. Contamos com a sua ajuda!

Criar artigo