Castelo da D. Chica

Castelo da D. Chica (Autor: José Goncalves)

Castelo da D. Chica (Autor: José Goncalves)

O Castelo da D. Chica é um edifício apalaçado, com diversas caraterísticas ecléticas, que foi projetado por Ernesto Korrodi, um arquiteto suiço que lhe conferiu traços de estilo romântico.

Fica situado na freguesia de Palmeira, em Braga (Portugal) e é também conhecido como Castelo de Palmeira, Palácio de Dona Chica e Casa da Chica.

História do Castelo da D. Chica

O Castelo da D. Chica foi mandado construir por Francisca Peixoto de Sousa, quando decorria o ano de 1915.

D. Francisca, ou D. Chica, tinha nascido no Brasil, tendo por isso mandado trazer diversas espécies arbóreas do seu país, espécies essas que ainda hoje existem na mata envolvente.

Ao longo dos anos, este castelo mudou de proprietário por diversas vezes, o que fez com que as suas obras de construção se fossem arrastando ao longo dos tempos, de modo que só ficaram concluídas já em 1991.

Ainda antes da sua conclusão, o Castelo foi reconhecido como Imóvel de Interesse Público, mediante o despacho de 20 de Fevereiro de 1985. Apesar de ter recebido essa classificação, atualmente o Castelo da D. Chica encontra-se abandonado e num processo de degradação que se tem vindo a arrastar, devido a uma disputa judicial que envolve várias entidades.

Castelo da D. Chica (Autor: José Goncalves)

Castelo da D. Chica (Autor: José Goncalves)

Disputa Judicial do Castelo da D. Chica

No ano 1990, a Junta de Freguesia de Palmeira adquiriu o Castelo da D. Chica por aproximadamente 95 mil euros, tendo depois arrendado o imóvel à IPALTUR, uma empresa de turismo que procedeu a algumas obras de beneficiação, adaptando o Castelo a uma zona de lazer com discoteca, bar e restaurante, bem como salas de reuniões e de congressos.

Mais tarde, com o acordo da autarquia, esta empresa hipotecou o Castelo da D. Chica por 750 mil euros, junto da Caixa Geral de Depósitos, constando do acordo que a Junta de Freguesia não receberia rendas do imóvel por um período de 10 anos.

Em 1994, porém, a IPALTUR entrou em processo de falência, tendo a Caixa Geral de Depósitos adquirido o imóvel em hasta pública, já no ano de 1998, por um milhão e meio de euros. Deste modo, a instituição financeira conseguiu reaver o seu crédito, mas os restantes credores (cerca de vinte) ficaram sem receber qualquer valor.

Assim, em 2001, o tribunal de Braga decidiu que os demais credores deveriam receber os valores em dívida da parte da Caixa Geral de Depósito. No entanto, essa decisão foi mais tarde anulada, em 2002 pelo Tribunal da Relação de Guimarães, e em 2003 pelo Supremo Tribunal de Justiça.

Aspetos Arquitetónicos do Castelo da D. Chica

O edifício do Castelo da D. Chica é composto por 4 pisos, sendo caraterizado por uma grande diversidade de materiais e linguagens, misturando vários estilos arquitetónicos, entre os quais o neogótico, o rústico e o neoárabe.

O projeto deste edifício, evidencia que foi dada a principal importância à imagem, deixando para trás alguns métodos relevantes de construção.

O material das janelas do edifício não obedece a nenhum padrão, sendo algumas em madeira, outras em ferro, e ainda outras utilizam ambos os materiais, não se sabendo se tal ficou decidido logo no projeto inicial de Korrodi, ou se os vários artistas que foram executando a obra ao longo do século foram tomando as decisões sobre esse assunto a seu bel prazer. Além das janelas, utiliza-se também o ferro como material do gradeamento, do coroamento da cobertura e também do catavento.

Como elemento decorativo principal, utiliza-se a folha-de-hera, que aparece não só no desenho das grades de ferro, como também em algumas das molduras de mármore e pelo meio dos diversos motivos florais presentes nos capitéis das colunatas.

As telhas do edifício foram pintadas de verde, com o objetivo de se integrarem na paisagem à volta, coisa que o restante edifício não consegue.

A mata envolvente é essencialmente de origem brasileira, sendo composta de amendoeiras, pau-santo, eucaliptos, japoneiras, palmeiras, pinheiros brasileiros, apesar de aí também se encontrarem algumas árvores de origem nacional, tais como cedros, pinheiros bravos, carvalhos, mimosas, salgueiros, sobreiros e outras.

O lago no jardim, conjuntamente com uma gruta, pretendem imitar o período medieval e o estilo barroco, traduzindo assim uma visão romântica

Castelo da D. Chica na Atualidade

Atualmente, o Castelo da D. Chica encontra-se à venda por dois milhões e meio de euros, estando já em processo de degradação.

Partilha!Share on Facebook0Share on Google+1Tweet about this on TwitterShare on Tumblr0Pin on Pinterest0Share on LinkedIn0Share on Reddit0Share on VKEmail this to someone

Não Encontrou o Que Estava Procurando? Tente o Google!

Marcados com: , ,
Publicado em Castelos de Portugal, Monumentos de Portugal, Últimos
12 comentários sobre “Castelo da D. Chica
  1. Isabel disse:

    “uma zona de lazer com discoteca, bar e restaurante, bem como salas de reuniões e de congressos” … por favor … se dissessem “casa de meninas e prostituição” concordava

  2. Emmett disse:

    Desconhecia essa “faceta” da casa.

  3. Isabel disse:

    Os “cães grandes” de Braga e não só frequentavam esta casa de meninas brasileiras.

  4. Emmett disse:

    Como é que a Isabel sabe isso?

  5. Isabel disse:

    Toda a gente sabe. Desde sempre se ouve dizer.

  6. Emmett disse:

    Obrigado pelo esclarecimento.

  7. Vasco Briteiros disse:

    D. Chica tinha um Rolls-Royce com os “cromados” em prata maciça e o motorista era o sr.Pachancho! D.Chica e o marido Dr.Rego tiveram uma tentativa de assalto na Terra Negra. Uma senhora de muita idade, na berma da estrada, pedia auxílio.
    O casal disse ao motorista para dar uma boleia à velhinha. Quando esta se sentou no carro, o motorista desconfiou que era um homem. Assim uns metros depois,para e pede à velhinha para tirar uma ferramenta debaixo do assento dela. Logo muito rápido, o motorista abre bruscamente a porta e empurra a velhinha para fora do carro. Arranca de imediato. Uns kms depois encontram a estrada barricada e dois homens armados perguntando pela velhinha. O motorista confirmou ter visto a velhinha entrar noutro carro que estava ainda para trás e foi~lhe permitido continuar a viagem até Braga. O motorista foi muito bem recompensado. História contada pela Srª Vice-Consulesa de Espanha em Braga (o Vice-Consulado era na Rua D. Afonso Henriques 12 e era lá que eram feitas as revisões do Rolls-Royce, por ter uma garagem com as condições impostas pelos mecânicos da marca.).
    O RR ainda participou no 1º Rally de A.A em Santo Tirso. Onde estará agora?

  8. Lúcia de Oliveira disse:

    Senhora Isabel, toda a gente sabe que, a tal “casa de meninas” sobre a qual a senhora fala, não é no Palácio Dona Chica e sim, na propriedade que se situa ao lado. Propriedade esta, denominada por Solar da Quinta de S, José.
    Antes de falar, seja sobre o que for, por favor, informe-se correctamente.
    Como diz o velho ditado,: “Nem tudo o que se vê se diz e nem tudo o que se ouve se conta”.

  9. Obrigado pelo esclarecimento.

  10. Lúcia de Oliveira disse:

    Não tem o que agradecer.
    :)

  11. Miguelsilva disse:

    O que era ja era… Eu se tivese carcalhol comprava o palacio e ia morar para ai com a minha chica ale dona chica, e felizardo de quem o comprar ale dona chica grande mulher

  12. Miguel disse:

    A gente aqui mal informada a isabel e uma delas ou trabalhou la e nao se lembra da entrada? ?kkk
    A casa de meninas era ao lado nao era na dona chica…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Newsletter
Questionário

Ponte 25 de Abril ou Ponte Salazar?

View Results

Carregando ... Carregando ...
Publicidade
Acerca
Bem-vindo ao HistóriaDePortugal.info, um portal informativo dedicado exclusivamente à História de Portugal.

Temos como objectivo ser o recurso mais completo na Internet sobre a História de Portugal.


Partilhar história
A História de Portugal está pouco divulgada na Internet. Ajude o HistoriaDePortugal.info a expandir através da partilha do seu conhecimento. Contamos com a sua ajuda!

Criar artigo